Loading...

Projeto FallSensing ajuda a reduzir o risco de quedas

E de um momento para o outro… Ai, ai que tropeçou e caiu! Não há como negar que as quedas são um dos problemas de saúde mais comuns na terceira idade, responsáveis por grande parte das hospitalizações. Mas o projeto FallSensing está aí para alterar o cenário, com treinos específicos que ajudam a reduzir acidentes.

O projeto FallSensing cria soluções tecnológicas para auxiliar no rastreio do risco de quedas na população mais velha e desenvolver planos de prevenção que contribuam para um envelhecimento ativo.

Esta plataforma de exercícios foi concebida a pensar nos fisioterapeutas – e outros profissionais de saúde – que precisam de implementar planos de prevenção de quedas. Conheça-a melhor!

Os mentores do projeto FallSensing

O programa foi desenvolvido pela Fraunhofer Portugal AICOS (associação sem fins lucrativos que tem como missão promover a investigação aplicada com o intuito de dar resposta às necessidades da população), em parceria com a empresa Sensing Future Technologies (que concebe, desenvolve e implementa dispositivos médicos tecnológicos) e a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (pioneira das tecnologias da saúde em Portugal). Os primeiros resultados desta investigação foram apresentados o ano passado no 1st Meeting FallSensing e de lá para cá já foram testtados em algumas clínicas interessadas em reduzir o risco de quedas na população, promovendo ações de sensibilização e rastreio junto de pessoas com mais de 65 anos.

Objetivo da plataforma FallSensing 

O FallSensing é uma solução tecnológica cujo objetivo é o de avaliar os fatores de risco de quedas de modo a implementar programas de exercício preventivo.

Funcionamento da aplicação FallSensing 

O FallSensing ajudar a analisar a performance motora dos utilizadores através da medição da falta de movimento, de uma plataforma de força e de câmaras 3D.  Os exercícios em causa (baseados em jogos lúdicos que promovem a interação social) são monitorizados em tempo real com sensores inerciais e, no caso da avaliação e do sistema clínico, também através de uma plataforma de pressões. Depois, os dados de cada pessoa são trabalhados por ferramentas analíticas e inteligência artificial que conseguem definir o melhor plano de treino para cada uma. Por exemplo, fortalecimento dos músculos e do equilíbrio de modo a diminuir os riscos de queda.

Esta plataforma utiliza também os sensores para avaliar se os exercícios estão a ser bem feitos, estabelecendo, se necessário, recomendações automáticas de modo a que as pessoas cumpram de forma correta os programas de treino.

Já agora, sabia que Lisboa vai ter mais oferta na área da mobilidade? Clique aqui para mais informações!

Acesso à informação da plataforma FallSensing 

Os dados da aplicação FallSensing são armazenados numa plataforma centralizada de registo clínico (num servidor na cloud) onde fisioterapeutas e outros profissionais da área da saúde podem aceder e fazer a sua avaliação: acompanhando a pessoa em causa e personalizando os programas de treino.

Programas de treino FallSensing 

Os programas de treino são gerados de forma automática, mas também podem ser recomendados por um médico ou fisioterapeuta. Em todo o caso, devem sempre ser adaptados continuamente à evolução dos utilizadores considerados em risco de quedas, de modo a que estes tenham a possibilidade de prevenir acidentes.

Se está decidido a viver um envelhecimento ativo e reduzir o risco de quedas, saiba que esta plataforma de exercícios também pode ser utilizada em casa, sendo que o plano de exercícios é personalizado e adaptado à sua condição. Experimente!

Poderá estar também interessado na leitura do nosso artigo sobre teleassistência. Um serviço da Prosegur em parceria com a Cruz Vermelha.

Texto: Sofia Santos
Imagem: Unsplash

Artigos recentes